IMPRENSA E CRÍTICA

PRESS AND ART REVIEW

 

OSCAR D'AMBRÓSIO

Oscar D’Ambrosio é doutor em Educação, Arte e História da Cultura e mestre em Artes Visuais pelo Instituto de Artes da Unesp.

Oscar D’Ambrosio holds a PhD in Education, Art and History of Culture and a Master in Visual Arts from the Instituto de Artes da Unesp.

Desde a primeira década do século XX, o desenvolvimento dos aviões levou a uma revolução da arte da guerra. Logo surgiu o desejo de representar os combates, que não podiam ser fo-tografados. Pintores, principalmente europeus e norte-americanos, foram então requisitados para retratar essas cenas.Alguns nomes, como Richard Taylor, Robert Taylor, Stephen Brown, Philip West e Nicholas Trudgian, se consagraram nessa especialidade, conhecida como Aviation Art, que passou tam-bém a incluir imagens da aviação civil, dando origem a artistas e admiradores desse tipo de trabalho. Apaixonado pela aviação desde a infância, o artista E. J . Victorello decidiu se especializar no tema, tendo como diferencial a produção de obras sobre aeronaves civis e militares produzi-das no Brasil, que apresenta uma indústria aero-náutica de crescente importância.A forma como E.J. Victorello mostra os aviões revela um esmerado processo técnico, perceptível nas imagens mais escuras e naque-las que ocorrem, ao entardecer ou anoitecer, que permite um maior jogo de luzes ao trabalhar os fundos das telas, nas diversas tonalidades dos céus.



Since the first decade of the 20th century, the development of airplanes has led to a revolution in the art of war. Soon the desire arose to represent the combats, which could not be photographed. Painters, mainly Europeans and North Americans, were then asked to portray these scenes. Some names, such as Richard Taylor, Robert Taylor, Stephen Brown, Philip West and Nicholas Trudgian, established themselves in this specialty, known as Aviation Art, which has also passed It also includes images from civil aviation, giving rise to artists and admirers of this type of work. Passionate about aviation since childhood, the artist E. J. Victorello decided to specialize in the theme, having as a differential the production of works on civil and military aircraft produced in Brazil, which presents an aero-nautical industry of increasing importance. The way EJ Victorello shows airplanes reveals a painstaking technical process, perceptible in the darker images and in those that occur, at dusk or dusk, which allows a greater play of lights when working the backgrounds of the screens, in the different shades of the skies.

REVISTA ASAS

O consagrado ramo de aviaton-art movimenta em todo o mundo uma verdadeira legião de artistas que buscam representar a aviação de várias formas e aspectos. As diferenças entre as obras são notadas nas pinceladas, no ponto de vista abordado, nas dezenas de técnicas existentes e materiais que rotineiramente utilizam para registrar a sua “assinatura” pessoal. Alguns artistas procuram em temas mais inusitados o ineditismo, buscando sair do ponto comum. Porém, em sua grande maioria, vemos que a arte acadêmica, com o seu hiper-realismo, predomina nas centenas de obras ao redor do mundo. Algumas delas chegam ao ponto de se equiparar com uma fotografia, dado o cuidado tomado em cada detalhe da cena, na paisagem que envolve a aeronave e no calor das figuras humanas.
Entretanto, são poucos aqueles que buscam em outros movimentos artísticos a inspiração para representar a aviação. Assim foi com Eduardo de Jesus Victorello.
Desde criança, Victorello já mostrava talento em desenho e pintura, sendo possível ver em seus traços cuidados com medidas e proporções. Tendo em vista todo seu potencial para arte, acabou se matriculando na Fundação Arnaldo Álvares Penteado (FAAP), onde teve contato com novos materiais e técnicas diferenciadas de desenho. Naturalmente, o artista continuou sua saga neste segmento, o que o levou a realizar um curso na Escola Panamericana de Arte, onde a parte mais profissional e publicitária do ramo foi assimilada.
Também nessa mesma época, Victorello  conheceu o renomado pintor, desenhista e artista plástico chinês Kong Fang, com o qual aprendeu as mais variadas técnicas de pintura, completando assim o ciclo de conhecimento necessários para seguir profissionalmente neste ramo, como desejava na época.
Assim como a pintura, Victorello possuía outra paixão – a aviação.
Desde cedo, o ronco dos motores e as linhas das aeronaves despertavam a sua atenção, fosse nos filmes, livros, revistas ou mesmo pessoalmente. Assim como muitos de nós, Victorello se dedicou ao plastimodelismo e, ao mesmo tempo em que admirava os modelos, o artista se encantava com as tampas das caixas dos kits, “todas elas magnificas”, como ele próprio descreve. A paixão era tanta que chegou a prestar o concurso para a Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAr), o equivalente ao ensino médio da Força Aérea Brasileira (FAB).    
Curiosamente, o artista não seguiu nenhuma dessas carreiras profissionalmente. Ao contrário, dedicou-se à advocacia, ramo pelo qual possuía também grande interesse. Dessa forma, por vários motivos, Victorello teve que cessar suas atividades com a pintura. E foi apenas em 1990, 20 anos mais tarde, que o desenho e a pintura voltariam a fazer parte de sua vida. Na época, o plastimodelismo era o único hobby que ele mantinha, porém, com o plano econômico instituído pelo então presidente Fernando Collor de Mello, as dificuldades começaram a aumentar. “Eu tinha um compressor de pintura, bem pequeno e vermelho, praticamente um inalador adaptado para pintura com aerógrafo. Ele vivia dando problemas e com a crise pela qual o Brasil passava na época eu fiquei com medo dele quebrar e me deixar na mão”, disse. Naquele momento, ao comprar os materiais escolares para seus filhos, Victorello teve conhecimento do lápis de cor aquarelável. “Aquilo foi uma maravilha, na época em que eu pintura tudo era mais difícil, o artista precisava de espaço, uma estrutura de apoio e o cheiro dos materiais era muito forte” completou.
Assim, Victorello se dedicou exclusivamente a três técnicas (lápis de cor, pastel e guache), que exibem resultados magníficos, porém são pouco exploradas pelos artistas em geral. A partir daí, temas como pessoas, paisagens e, principalmente, a aviação, passaram a ser o foco do artista. E não esconde a sua preferência pelo movimento impressionista. As pinceladas são mais rápidas, o momento é captado com espontaneidade. A sensação de movimento é percebida não apenas na atitude de vôo das aeronaves, mas nas escolhas e combinações de cores, nas tonalidades dos objetos e na luminosidade da cena. Com isso, o artista conseguiu sua própria identidade.
Com o passar dos anos, Victorello começou a participar de exposições e concursos, passando a conquistar dezenas de prêmios em eventos de renome como o IV Salão Metropolitano de Arte, patrocinado pela Secretaria Municipal de Cultura, e na exposição patrocinada pela Galeria Encontro das Artes, ocorrido em dezembro de 2003. Mais recentemente, alcançou um importante patamar em sua carreira, ao ter suas obras escolhidas para participar do I Salão de Belas Artes de São Paulo, que ficou aberto ao público de 8 a 27 de janeiro passado, no pavilhão da Bienal do Parque do Ibirapuera  (SP). Ao todo, mais de 350 artistas se inscreveram para o concurso e apenas 160 tiveram seus trabalhos selecionados. No salão foram exposto  260 obras. Vale ressaltar que ele havia inscrito três quadros para o evento, sendo que todos foram aprovados e expostos no salão.

REVISTA FLAP

AVIAÇÃO E ARTE


Uma prática muito comum no exterior está agora também sendo feita no Brasil. São os quadros retratando cenas de aviação, geralmente militar, com grande fidelidade a pinturas e marcas nos aviões. As obras são feitas pelo artista plástico Eduardo Victorello, que se especializou em aviões militares, principalmente os utilizados na Segunda Guerra Mundial. Os trabalhos são feitos sobre papel, com guache ou pastel. O pintor aceita encomendas.

REVISTA AERO

ECOS DA 2ª GUERRA


Se você é aficcionado por aviões e gostaria de ter uma pintura do seu modelo favorito na parede da sala ou do escritório, o artista plástico Eduardo Victorello pode realizar seu desejo. Victorello é expert em temas aeronáuticos e suas telas são resultado de apurado trabalho de pesquisa técnica e histórica. Sua especialidade são aviões militares, principalmente aqueles do período da 2ª Grande Guerra, como os jatos ingleses Gloster Meteor, o monomotor romeno IAR-80 ou o bimotor italiano Savoia Marchetti SM.79 (em versão romena).

Os trabalhos são feitos a guache ou pastel sobre papel e variam aproximadamente entre 30 x 40 cm e 30 x 20 cm. Preços e prazos diretamente com o pintor.  

©2020 por EDUARDO VICTORELLO